Doação de órgãos e tecidos - o que você precisa saber

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS: O QUE VOCÊ PRECISA SABER A doação de órgãos ou de tecidos é o ato pelo qual manifestamos a vontade de doar uma ou mais partes do nosso corpo para ajudar no tratamento de outras pessoas.A doação pode ser de órgãos (rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão) ou de tecidos (córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical). A doação de órgãos como o rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser feita em vida. Para a doação de órgãos de pessoas falecidas, somente após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica. A Morte Encefálica é a perda completa e irreversível das funções encefálicas, definida pela cessação das atividades corticais e de tronco encefálico, considerando, portanto, a morte da pessoa. (Resolução Nº 2.173, de 23 de novembro de 2017)No Hospital Santa Casa de Patrocínio, o processo de identificação de morte encefálica, através de protocolo específico e, consequente possível doação de órgãos e tecidos, é realizado pela Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), formada por equipe multidisciplinar (Médico, Enfermeiros, Fisioterapeutas, Psicólogos e Técnicos de Enfermagem), devidamente capacitada para tal, juntamente com a equipe do MG Transplantes de Uberlândia.  Todo paciente com diagnostico inicial de Acidente Vascular cerebral extenso, Traumatismo Craniano Encefálico Grave e Anoxias pós-parada Cardiorespiratória (Falta de oxigenação Cerebral) deverão ser considerados em alto grau de suspeita de evoluírem com morte encefálica.  Após identificação são realizadas provas clínicas juntamente com exames laboratoriais para uma definição e confirmação da morte encefálica, da seguinte maneira: • Suspende-se a sedação do paciente por 24hs e então inicia-se o Protocolo de Morte Encefálica (ME); • Realiza-se dois exames clínicos em intervalos que se diferem de acordo com a idade do paciente, em adultos, por exemplo, o intervalo de no mínimo são de 06 horas. Estes exames são realizados por um médico neurologista e outro médico de qualquer especialidade que tenha assistido o paciente. • Cada exame clinico é composto por sete testes, sendo estes: Coma a perceptivo e arreativo (Glasgow 3); Reflexo óculovestibular (Prova calórica); pupilas fixas e arreativas; Reflexo córneo-palpebral; Reflexo oculocefálico; Reflexão de tosse ou vômitos e Teste de apnéia.• Realização do Eletroencefalograma (EEG) como exame complementar padronizado pela Instituição visando completar o protocolo de morte encefálica. Obrigatoriamente o exame tem que estar laudado e assinado pelo médico neurologista responsável. Após realização de todos os procedimentos citados e confirmada a morte encefálica do paciente possível doador, a família do mesmo é comunicada pelo médico intensivista, sobre o resultado da condução do Protocolo e que o paciente está em óbito. Então, a família é abordada pela psicóloga hospitalar que informa a possibilidade de doação de órgão.Após a autorização da família, a equipe da CIHDOTT da Santa Casa avisa a Central do MG Transplantes de Uberlândia sobre a possibilidade de um possível doador.  A família do paciente é totalmente assistida pela equipe multidisciplinar, com todo apoio social e psicológico, são esclarecidas quaisquer dúvidas e também informado o tempo de libração do corpo para a celebração fúnebre, que pode variar de 02 a 05 dias, que corresponde o prazo de liberação dos exames laboratoriais e tempo de deslocamento da equipe médica de coleta de órgãos, que para nossa cidade, a referência é Belo Horizonte.A cirurgia para retirada dos órgãos é como qualquer outra, e todos os cuidados de reconstituição do corpo são obrigatórios pela Lei n° 9.434/1997. Após a retirada dos órgãos, o corpo fica como antes, sem qualquer deformidade. Não há necessidade de sepultamentos especiaisÉ importante ressaltar que o protocolo de morte encefálico brasileiro é considerado um dos mais completos e seguros do mundo.Se você quiser se tornar um doador, a atitude mais importante é informar esse desejo a seus familiares uma vez que, após sua morte, eles decidirão sobre a doação.Autor do texto: Jefferson Faria de Oliveira – Enfermeiro Responsável Técnico pela UTI Adulto da Santa Casa de Patrocínio Santa Casa de Patrocínio, saúde é a nossa razão de ser! Contato: 34 3839 1000.

Impresso via www.olhaopassarim.com.br. Todos os direitos reservados.